Categoria: Massacres

Maio 31st, 2019 Por Kwaradio

A UNITA acusou hoje o Governo angolano (MPLA) de estar “a humilhar” as exéquias fúnebres de Jonas Savimbi, cujos restos mortais foram entregues na segunda-feira no Luena, província do Moxico, e não hoje no Cuíto tal como fora acertado. 

E assim vai o reino do MPLA, dirigido por João Lourenço, que continua a ser muitíssimo forte com os fracos.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da comissão para as exéquias fúnebres do líder histórico e fundador da UNITA, Álvaro Chik Wamanga, mostrou-se indignado depois de a família e grande parte da direcção da UNITA, incluindo o Presidente Isaías Samakuva, estar no aeroporto Joaquim Kapango, no Cuíto, província do Bié, e não ter recebido os restos mortais de Jonas Savimbi.

A comitiva de jornalistas que deixou Luanda cerca das 08:00 aterrou cerca de uma hora depois no Cuíto, onde centenas de pessoas, dentro e fora do aeroporto, continuam a aguardar pelo início da cerimónia.

O ministro de Estado, Pedro Sebastião, que chegou ao Cuíto, cerca de 15 minutos depois do avião que trouxe os jornalistas, abandonou o aeroporto num dos quatro helicópteros presentes na pista em direcção ao Andulo, segundo Chik Wamanga.

Pedro Sebastião, mostrando o espírito de reconciliação e paz que caracterizam o MPLA, fez-se acompanhar por vários elementos da segurança de Estado e das Forças Armadas,

segundo o responsável da UNITA, abandonou o Cuíto sem sequer cumprimentar a direcção do partido presente no aeroporto.

Normal, portanto.

Desde quando é que os donos do reino cumprimentam os escravos ?

É uma humilhação uma vez que nem se dignou a cumprimentar a direcção da UNITA e foi directamente, ao que pensamos, para o Andulo, onde aparentemente os restos mortais de Jonas Savimbi irão ser entregues vindos directamente do Luena. Não sabemos a quem.

Quer a direcção da UNITA, quer sobretudo todos os familiares estão aqui no aeroporto do Cuíto”, disse.

Chik Wamanga acrescentou ainda ter recebido a indicação de que o Governo pretende realizar as exéquias fúnebres na quarta-feira no Andulo, embora esteja ainda a tentar confirmar a informação, uma vez que ninguém da parte governamental está no Cuíto.

Também a direcção da UNITA está a tentar a esclarecer a situação, se bem que suas excelências dos donos dos escravos entendam que não têm explicações a dar.

Estamos a aguardar por alguma novidade porque nesta altura não está aqui ninguém da parte governamental para nos dar explicações”, acrescentou.

Chik Wamanga realçou o facto de a comissão tripartida Governo-UNITA-Família ter consensualizado que os restos mortais seriam entregues hoje de manhã no Luena, situação que unilateralmente o Governo alterou na segunda-feira à tarde para o Cuíto, o que veio baralhar completamente toda a logística que o partido tem montada para dignificar a memória do líder histórico da UNITA, morto em 2002 em combate, o que marcou o fim da guerra civil angolana.

Perante o facto de os restos mortais não terem sido entregues no Cuíto, Chik Wamanga destacou “as manobras do MPLA e do Governo que pretendem boicotar toda uma homenagem a Jonas Savimbi.

Síndroma do MPLA (Estocolmo)

Os angolanos, sobretudo os 20 milhões de pobres, continuam a sofrer do Síndroma de Estocolmo que, durante 38 anos, lhes foi violentamente “injectado” por José Eduardo dos Santos ? Continuam.

Mas agora pensam que não. Estão a tomar um placebo chamado João Lourenço e, só por isso, se sentem melhor…

O Síndroma de Estocolmo é um estado psicológico em que uma pessoa, submetida durante muito tempo a um processo violento de intimidação, passa a ter simpatia e até mesmo sentimento de amor, admiração, culto e amizade perante o seu agressor. Embora de barriga vazia, os angolanos diziam que José Eduardo dos Santos era o “escolhido de Deus”.

Amavam o seu carrasco.

E se, apesar do seu distanciamento e sobranceria perante o Povo, Eduardo dos Santos era idolatrado pelos seus escravos, a João Lourenço é muito mais fácil manter esse estado de coisas, embora maquilhando-o.

Está mais perto do Povo, é mais popular e acessível. O Povo continua a comer peixe podre e fuba podre, mas como o novo Presidente lhe permite que arrote sonoramente, acreditam que ele não é o seu carrasco.

Assim, continuam a manter o Síndroma de Estocolmo e a desenvolver sentimentos de afecto para com o seu carrasco.

A população angolana deverá duplicar a actual, passando dos actuais cerca de 28 milhões para quase 65 milhões, em 2050, segundo uma projecção do Governo de Angola. A fazer fé nas previsões do MPLA, que está no poder desde 1975, tudo se resolverá desde que, nessa altura, Angola continue a ser o MPLA e o MPLA continue a ser Angola.

Angola é uma região riquíssima que, apesar de ter nos seus autóctones os líderes formais, continua a gerar riquezas para os outros, ricos internos, e uma crescente população pobre.

  ..e uma crescente população pobre …

Já lá vão 17 anos.

Foi a 24 de Fevereiro de 2002 que alguém disse: «Sekulu wafa, kalye wendi k’ondalatu! v’ukanoli o café k’imbo lyamale !». Ou seja, morreu o mais velho, agora ireis apanhar café em terras do norte como contratados.

E fomos. E, tal como no tempo colonial, voltamos a desenvolver o Síndroma de Estocolmo.

Tirando os conhecidos exemplos da elite partidária, a maioria do Povo angolano têm estado deste então a apanhar café, ou algo que o valha.

E continua a idolatrar os seus carrascos.

No rescaldo da guerra imediatamente a seguir à Independência, entre 1976 a 1978, houve uma brutal escassez de alimentos e a paralisação dos campos de algodão e café do norte de Angola.nPara fazer face a esse desafio, o governo do MPLA reeditou a guerra do Kwata-Kwata, obrigando pela força das armas os contratados ovimbundos e ou bailundos (que outros poderiam ser?) a ir para as roças, sobretudo do norte.

Com a independência, os camponeses do planalto e sul de Angola sonharam com o fim do seu recrutamento forçado para aquelas roças. Finalmente, pensavam, o Síndroma iria morrer.

A reedição da estratégia colonial por um governo independente foi um golpe duríssimo na sua ilusória liberdade.

O líder da UNITA, Jonas Savimbi, agastado com a fraqueza e quase exaustão das forças que conseguiram sobreviver à retirada das cidades, em direcção às matas do leste (Jamba), onde reorganizou a luta de resistência, aproveitou esse facto, bem como a presença de estrangeiros, para mobilizar os angolanos.

«Ise okufa, etombo livala» (Prefiro antes a morte, do que a escravatura ), dizia Savimbi aos seus homens, militares ou não.

E agora ?

Agora os seus discípulos preferem, talvez porque eles próprios sofram do Síndroma de Estocolmo, a escravatura com alguma (embora pouca) coisa na barriga, renegando a liberdade com ela vazia.

O Síndroma de Estocolmo evoluiu para Síndroma do MPLA. Os escravos nutrem admiração, ou até mesmo amor, pelo carrasco.

Num cenário em que os poucos que têm milhões continuam a ter cada vez mais milhões e em que, no mesmo país, muitos milhões não têm sequer o que comer, que futuro terão os angolanos ?

Livramo-nos do carrasco colonial português mas, em troca, temos de aceitar um carrasco colonial angolano.

Mal por mal, antes a morte do que a escravatura ?

E se antes foi o tempo dos contratados e escravos ovimbundus ou bailundos irem para as roças do Norte, agora é o enxovalho de transportar pedras à cabeça para ter “peixe podre, fuba podre… e porrada se refilarmos”.

Mesmo assim, o tal Síndroma do MPLA existe e, por falta de alternativas válidas, os angolanos vão aceitando como normal e correcto o facto de a maioria ter apenas mandioca e farelo, enquanto os seus donos têm todas as mordomias de uma elite anafada.

Ao menos, dizem, o carrasco agora é outro.

Agora, para além de irem apanhar café em terras do norte como contratados, os 20 milhões de angolanos pobres aceitam passivamente ser escravos na terra que ajudaram a, supostamente, libertar.

Foi um síndroma que, pelos vistos, veio para ficar… e ficou mesmo.

 

Folha 8 com Lusa –  28 DE MAIO DE 2019

JONAS SAVIMBI : Crónica do « cadáver mais incómodo .. » do país – Ilidio Manuel …

Sepulcro de Savimbi construído pelo próprio filho …

LAVA JATO : Americanos atacam a Corrupção em Moçambique. E ANGOLA ??..

FAMINE : ..Si Cunene est L’Angola,.. alors Joao Lourenço est un Menteur !..

LUNDA NORTE : Cafunfo en État de Siège,.. les Manifestants sous le Feu de l’ Armée,.. et de la POLICE …

LAVA JATO : Americanos atacam a Corrupção em Moçambique. E ANGOLA ??..

JONAS SAVIMBI : Crónica do « cadáver mais incómodo .. » do país – Ilidio Manuel …

http://sosdictature.com/angola-lunda-norte-est-en-deuil-le-regime-mpla-continue-dassassiner-lunda-norte-esta-de-luto-regime-continua-a-matar

KLEPTOCRATIE : un (une) « kleptocrate »  ne peut être promu(e) … Ni ministre, ni dirigeant(e),..  ni xxx..x.. et … ni Vice-xxx..x…..

JONAS SAVIMBI : Crónica do « cadáver mais incómodo .. » do país – Ilidio Manuel …

ANGOLA : une Église inféodée, est identique à une église sans foi.

LAVA JATO : Americanos atacam a Corrupção em Moçambique. E ANGOLA ??..

UNITA : 52 ans d’existence,.. 52 ans d’expérience … au service de la LIBERTÉ !.. – par : Paulo Lukamba Gato

LETTRE OUVERTE : ..( et publique ) au Président João Lourenço – William Tonet

LAVA JATO : Americanos atacam a Corrupção em Moçambique. E ANGOLA ??..

JONAS SAVIMBI : Crónica do « cadáver mais incómodo .. » do país – Ilidio Manuel …

Contact

 

 

   Send article as PDF   

Publicado em Direitos Humanos, Historia, Massacres, Panorama Etiquetas: , ,

Maio 26th, 2019 Por Kwaradio

O Governo do MPLA anunciou hoje que os resultados dos testes de ADN feitos por três entidades aos restos mortais do fundador e líder histórico da UNITA, Jonas Savimbi, serão divulgados publicamente na próxima segunda-feira.

Num comunicado, o executivo angolano refere que, no dia 28, irá entregar oficialmente na cidade do Luena, capital da província do Moxico, os restos mortais de Jonas Savimbi à família, ficando o dia seguinte como data indicativa” para a cerimónia de inumação.

A decisão foi tomada hoje numa reunião da Comissão Multisssectorial para o Processo de Exumação, Transladação e Inumação dos Restos Mortais de Jonas Savimbi, coordenada pelo ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança, Pedro Sebastião.

Por uma questão de respeito por uma das mais emblemáticas datas para o MPLA, 27 de Maio, bem poderia o governo ter escolhido este dia para entregar os restos mortais que, desde 2002, mantinha sequestrados.

Seria uma forma de juntar às milhares e milhares de vítimas de 1977 mais um dos seus troféus…

A cerimónia de exumação e recolha de amostras dos restos mortais do líder fundador da UNITA, morto em combate a 22 de Fevereiro de 2002 (há 17 anos), realizou-se a 31 de Janeiro, no Luena, província do Moxico, onde – diz-se estava sepultado (sob sequestro do Governo) desde a sua morte.

O Governo do MPLA garantiu no início de Janeiro estarem criadas as condições para a exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi, mas avisou que o funeral não terá honras de Estado, uma vez que o antigo presidente da UNITA “não pertencia à família governamental quando faleceu”.

Falando em Fevereiro, o deputado angolano Rafael Massanga Savimbi, filho de Jonas Savimbi, afirmou que o posicionamento do Governo não preocupa “a família e muito menos a direcção do partido”, porque, observou, o pai não é reconhecido por decretos.

Penso que, para figuras marcantes como ele (Jonas Savimbi) é o reconhecimento do povo em geral. E é isso o mais importante, sobretudo, a sua contribuição”, realçou.

E como o MPLA (ainda) é o dono disto tudo…

O Governo do MPLA, que continua a agir como se fosse (e ao que parece continua a ser) proprietário de Angola e dos angolanos, garantiu que o funeral do fundador da UNITA não terá honras de Estado”.

Se Savimbi pudesse dar uma opinião sobre o assunto também não quereria essas “honras”. Antes livre de barriga vazia do que escravo com ela cheia, diria.

A posição colonial do MPLA foi transmitida pelo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente João Lourenço, Pedro Sebastião.

“Uma vez que o antigo presidente da UNITA não pertencia à família governamental quando faleceu”, justificou o governante do MPLA/Estado, certamente carcomido pela certeza de que se a honorabilidade de Savimbi se medisse pelo nível dos seus detractores do regime, João Lourenço e os seus acólitos o amesquinhavam totalmente.

Pedro Sebastião frisou que não existem razões para se fazer paralelismos com o funeral de Estado do general Arlindo Chenda Pena “Ben-Ben”, antigo chefe-adjunto do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA) e ex-comandante do antigo exército da UNITA (FALA), cujos restos mortais permaneciam desde 1998 na África do Sul.

Os militantes e angolanos anónimos (sobretudo os que integram o “exército” de 20 milhões de pobres), recordam o que o MPLA/Estado ignora por considerar Savimbi um terrorista e um angolano de segunda.

Recorde-se que João Lourenço, na altura ostentando o rótulo de candidato mas já com o resultado eleitoral no bolso, deslocou-se à província do Bié para um acto político e, perante milhares de pessoas (são sempre milhares e milhares), disse: “A nossa bandeira é bastante conhecida, ninguém pode dizer que não conhece a nossa bandeira, num desses comícios, a brincar, eu dizia que a nossa bandeira é mais conhecida que a Coca-Cola”.

E é verdade.

A bandeira nacional angolana é uma réplica da bandeira do MPLA.

No seu discurso, o agora Presidente de todos os angolanos… do MPLA, referiu-se igualmente ao passado histórico da província do Bié, fortemente atingida no período de guerra civil, considerando que a mesma “deveria passar para a história como a cidade do perdão”.

Perdão que o regime de João Lourenço confunde com submissão, rendição, esclavagismo.

Para João Lourenço, a província do Bié e a sua capital, Cuito, são a “cidade do perdão, da tolerância”, por terem sabido “perdoar, serem tolerantes ao ponto de terem contribuído bastante para que a reconciliação nacional entre os angolanos vingasse”.

Reconciliação ?

Essa só contaram para João Lourenço que, como ministro da Defesa, deu o exemplo de que o mais importante para o regime é a razão da força e não a força da razão.

Reconciliação pela força é como acontecia durante o colonialismo português, em que os chefes do posto apresentavam à sociedade os voluntários devidamente amarrados”.

João Lourenço pediu na altura o voto do povo do Bié, para acabar com a fome, pobreza e a miséria, reactivando a agricultura e a indústria, prometendo milhares e milhares de empregos (500 mil) para a juventude.

Isto é, o MPLA promete fazer agora o que o MPLA não fez durante 44 anos.

 


Sem citar nomes, deixando a identificação para os militantes, João Lourenço recordou que o país já teve num passado recente um potencial de indústrias, no entanto, destruídas em tempo de guerra.

Guerra em que, como todos sabemos, só as balas, as bombas, as minas da UNITA matavam o Povo.

As do MPLA, inteligentes, paravam e perguntavam: és Povo ? Se era… elas desviavam.

“Vamos repor as indústrias, não só para que voltemos a produzir os bens industriais, mas sobretudo para resolvermos um problema, que é o emprego. Aqueles que destruíram a indústria e, consequentemente, destruíram os postos de trabalho que a indústria oferecia são os mesmos que hoje vêm dizer que a juventude não tem emprego”, acusou aquele que hoje é Presidente da República mas que continua a demonstrar que ser Estadista (líder que governa com competência, empenho e conhecimento) é algo a que é alérgico.

Ora aí está.

A culpa só pode ser daqueles que destruíram tudo e mataram quase todos. A UNITA, é claro. Aliás, um dia destes ainda se provará que os massacres do 27 de Maio de 1977 foram levados a cabo pela UNITA sob comando de Jonas Savimbi.

 

Mais atrasado está o dossier em que o MPLA trabalha para provar que Savimbi também foi responsável pelo holocausto nazi.

“Hoje com maior descaramento vêm dizer que a juventude não tem emprego. Vamos criar milhares de postos de trabalho para a nossa juventude.

Os que destruíram os postos de trabalho vão ser penalizados e duramente penalizados (…) vamos castigá-los no voto, é a melhor forma de os castigar”, frisou João Lourenço que, pelos vistos, nada tem a ver com o passado do MPLA pois, asseguram-nos fontes do regime, só ontem (ou terá sido hoje?) chegou a Angola…

Folha 8 com Lusa –  14 de maio de 2019

Partilhe este artigo

Mise en forme : jinga Davixa

 

 

UNITA : MERCI PRÉSIDENT. ADIEU L’AMI BEN-BEN

ANGOLA – 04 avril 2018 : Paix et réconciliation nationale ?.. un gâchis véritable ?.. Paulo Lukamba Gato

DICTATURE : Rafael Marques encore en vie ?.. Oui ??.. – Alors,..  l’Angola est une démocratie ?..

ANGOLA : LUNDA-NORTE EST EN DEUIL,.. LE RÉGIME CONTINUE D’ ASSASSINER …

ANGOLA : “BUNKER” DE SAVIMBI L’UNITA SE TAIT,… ET LE MPLA EST BIEN SILENCIEUX…

Avec le caractère criminel du MPLA, impossible d’élaborer des stratégies pour résoudre les conflits et unir les Angolais

ZENÚ ? : A Corrupcao mata…

LAVA JATO : Americanos atacam a Corrupção em Moçambique. E ANGOLA ??..

ANGOLA : Le ministre de la Communication sociale, João Melo, traite les militants reçus par João Lourenço PR,.. de « anti-gouvernement »

MANIFESTATIONS : Les « Revus » protestent pour demander la justice et la fin des assassinats en ANGOLA …

BARBARIE : João Dala est mort … il avait subi en 2016 une torture sadique … et brutale … 15 heures durant … par les enquêteurs du SIC…

ALEXANDRA SIMEÃO : “Que JLO não nos frustre as expectativas” …

RÉPRESSION : un opposant dénonce en angola,.. des méthodes qui rappellent l’apartheid…

UNITA : Le général « Ben Ben » aura-t-il droit aux honneurs militaires … en Angola ?..

1-2-3… “CABRITIR” : BNA suspende administração do Banco de Kundi Paihama …

ZENÚ ? : A Corrupcao mata…

DEBATE : Direitos Humanos em Angola e Paz ?..

Avec le caractère criminel du MPLA, impossible d’élaborer des stratégies pour résoudre les conflits et unir les Angolais

ANGOLA : LA MATRICE DU MPLA ET L’INGÉNUITÉ (NAÏVETÉ !…) DE L’OPPOSITION….

ANGOLA : Comunismo, Népotismo, e….Cabritismo !…

 

 

   Send article as PDF   

Publicado em investigacoes, Massacres, Panorama, Repressao Etiquetas: , , ,

Partilhar
Partilhar